olá, olá a todos, aos bons e aos maus, e não, hoje não quero saber se vocês são realmente verdadeiros ou não, não quero saber se vocês algum dia terão a coragem de me contar toda a verdade, não quero saber se daqui a pouco vou estar a rir ou a chorar, pouco me interessa se amanhã terei coragem de me levantar ou se vou finalmente abrir os olhos e correr até perder o fulgor. hoje eu não sou uma princesa, hoje não sou um monstro, aliás, hoje eu sou isto, mais um alguém. não sou eu, não sou outra pessoa. hoje, hoje eu gostava de dizer que seria hoje que tudo ia começar ou hoje eu gostava de dizer que seria hoje que tudo ia terminar, mas eu permaneço sempre no intermédio, na verdade eu sou o intermédio. vou exigir sempre demasiado de mim, vou exigir sempre demasiado nos outros e será assim que vou ser eternamente, estarei nos baixos e nos altos, dependendo dos dias e vou-me desiludir mais uma quantas vezes, assim como vão existir dias em que vou ser muito feliz. nunca nada mudará, por isso, não vale a pena eu acreditar que sim: isto é assim, nada mudará. eu continuarei a dar tudo de mim, com toda a intensidade que coabitar por cá, e sairei mal, sairei sem forças, sairei esgotada e a pensar que é o fim do mundo, a pensar que nada será bom num outro dia. vou-me refugiar, melhor dizendo, vou fazer aquilo que faço sempre, vou fugir para a beira do mar ou então estarei sentada nas ruas do Porto, um comboio, um autocarro serão mais uma e outra vez o meu transporte para um refugiu solitário, para um refugiu só meu, sem nada que saiba o meu nome sequer. e mais tarde ou mais cedo, vou-me levantar, aos poucos e poucos, cada desgosto vai levar um tempo incompreendido, dependendo da intensidade que o meu coração depositar em cada um deles, mas vou levantar-me. nunca estarei pronta para voltar a cair, mas sabem uma coisa? vou voltar a cair muitas mais vezes, talvez porque eu seja assim. nunca escolhi o fácil, vivo com o difícil e escolho sempre o mais complicado. já me esquecia, eu própria sou o exemplo do complicado. será sempre assim. mas hoje é mais um dia em que não estou pronta para ver isto, é mais um dia em que desejo d-e-s-a-p-a-r-e-c-e-r.
sou quão verdadeira consigo ser, choro quando quero chorar, sorrio quando quero sorrir. desapareço quando preciso de desaparecer.

6 comentários:

pedacinhos de mim. disse...

muito verdade!

Martinha disse...

Obrigada! :)

Mariana disse...

oh, tu és forte, não precisas de desaparecer para superar :)

Mariana disse...

sim, eu entendo o que dizes. na verdade o que tu precisas é de um pouco de paz para pensar :)

Ana disse...

Olá! :) Não tenho blog, mas preciso imenso da tua ajuda pelo simples facto de ter imensos ciúmes e andar num pleno dilema!
E qual é o meu dilema? Bem, o meu namorado vai passar o S. João no Porto com amigos (inclui amigas grrrrr, que bem, conheço-os a todos) pela primeira vez. O facto de só chegar a casa de manhã, devido a ter transporte apenas de manhã atormenta-me um bocado, tal como o facto de beber, sim porque no S. João, é andar de bar em bar e beber!
Apesar de ele não beber muito, com os amigos todos é o que se sabe...
Não consigo meter isto na cabeça, não consigo!
Apesar de tudo, sei que é uma coisa que ele quer muito, pois ao fim de ele acabar o duro 12ºano como ele diz 'queria-me divertir pela primeira vez' (p.s.: ele não foi a viagem nem a baile de finalistas).
Help meeeeee*

cristiana mendes, disse...

Olá Ana,
eu para ser sincera também não gosto muito dessas saídas, dessas festas aliás, acho que qualquer rapariga que ama fica com o coração nas mãos, acho que qualquer uma, até que confie, fica sempre a pensar o que se estará a passar e se aquela noite não pode trazer problemas para o vosso namoro. Tenho a certeza que passas-te a noite a pensar "estará tudo bem?", "será que algo vai estragar o que existe?" , e se existiram perguntas assim ou comparáveis e quero desde já, pedir-te desculpa por não ter respondido mais cedo e só o fazer depois de ter passado a noite temível. :x confesso que os meus dias não têm sido os melhores e tenho feito de tudo para me afastar um pouco do mundo, um pouco de tudo. e volto a pedir-te desculpa por não te ter conseguido ajudar. eu não sei como correu a noite, mas se quiseres podes deixar-me aqui um comentário, ou até te dou o meu e-mail se precisares de alguma coisa e prometo estar atenta a isto para te poder aliviar um bocadinho o coração.
se fosse antes, eu acho que a única coisa que te poderia dizer para fazeres, era falares com ele e explicares-lhe como te estavas a sentir, acho que não lhe deverias dizer "não podes ir" ou algo do género, mas deverias sim confiar nele e mostrares a tua parte, assim como compreenderes a dele.
eu sou da opinião que não há nada melhor do que uma conversa verdadeira, para esclarecer qualquer problema. e ciúmes, qual é rapariga que não sente do seu namorado com outras raparigas?
um namoro estável consegue passar por isso, se for um namoro repleto de amor e acima de tudo verdadeiro, vence isso!
espero poder ajudar-te em alguma coisa! não sei se te conheço, mas alguma coisa estou aqui querida!
beijinhos.